Agentes atiram em suspeito na Casa Branca, e Trump é escoltado

Presidente dos Estados Unidos foi repentinamente retirado da sala da coletiva de imprensa

Polícia bloqueou avenida próxima à Casa Branca após baleamento de homem. Foto: Brendan Smialowski/AFP

Polícia bloqueou avenida próxima à Casa Branca após baleamento de homem. Foto: Brendan Smialowski/AFP

Mundo

Agentes do Serviço Secreto americano balearam uma pessoa, aparentemente armada, do lado de fora da Casa Branca nesta segunda-feira 10, informou o presidente Donald Trump, minutos depois do mandatário republicano ser retirado sob escolta de uma coletiva de imprensa.

O presidente foi repentinamente retirado da sala da coletiva de imprensa, enquanto agentes secretos fortemente armados foram mobilizados para o gramado norte da Casa Branca.

Minutos depois, Trump voltou à sala de imprensa, onde os jornalistas estavam presos, e informou que alguém havia sido baleado do lado de fora da Casa Branca.

O Serviço Secreto confirmou pelo Twitter que “houve um agente envolvido em um tiroteio” entre a 17ª Rua e a Avenida Pennsylvania, nas imediações da Casa Branca, em Washington.

“Parece que agentes da lei atiraram em alguém, no suspeito. E o suspeito está a caminho do hospital”, explicou o presidente.

Trump garantiu não ter qualquer informação sobre a identidade ou a motivação da pessoa baleada, mas, ao ser questionado sobre se a pessoa estava armada, respondeu: “Pelo que entendi, a resposta é sim”.

“Talvez não tivesse nada a ver comigo”, continuou Trump, ao afirmar que o incidente aconteceu “do lado de fora” do perímetro da Casa Branca.

“Eu não acredito que [o perímetro da Casa Branca] foi violado, eles estavam relativamente longe”, explicou.

A situação estava calma nos arredores da Casa Branca, mas uma parte das ruas nas imediações foi bloqueada, com diversos carros de polícia e agentes indo em direção à esquina entre a 17ª Rua e a Avenida Pennsylvania.

 

Philipos Melaku, um manifestante que acampa em frente à Casa Branca há anos, afirmou ter ouvido o barulho de um tiro por volta das 17h50 locais (18h50, horário de Brasília).

“Eu ouvi um tiro e, antes disso, eu ouvi gritos”, relatou Melaku à AFP.

“Era uma voz de homem”, continuou. “Depois disso, imediatamente, pelo menos oito ou nove homens armados chegaram apontando seus fuzis AR-15”.

Após o susto, Trump voltou rapidamente ao púpito da Casa Branca e deu sequência à coletiva de imprensa.

Ao ser questionado se tinha ficado abalado pelo ocorrido, Trump respondeu: “O mundo sempre foi um lugar perigoso. Não é algo único”, antes de elogiar efusivamente a atuação do Serviço Secreto.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem