Mundo

África do Sul parabeniza o TPI por ordens de prisão contra Netanyahu e líderes do Hamas

Procurador tratou das ordens de prisão de Netanyahu e de seu ministro da Defesa por ‘matar deliberadamente de fome civis’ e ‘homicídio intencionado’

Uma coluna de fumaça continua subindo em Rafah, cidade na fronteira entre Gaza e Egito. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

A África do Sul, na vanguarda dos esforços internacionais para classificar como genocídio a guerra israelense em Gaza, deu boas-vindas ao pedido desta segunda-feira 20 do procurador do Tribunal Penal Internacional de ordens de captura contra responsáveis israelenses e do Hamas.

“A África do Sul parabeniza a decisão do procurador do TPI Karim Khan”, diz um comunicado do gabinete do presidente sul-africano Cyril Ramaphosa. “A lei deve ser aplicada de forma igual para todos para fazer com que o direito internacional seja respeitado, para garantir que os autores de crimes de ódio prestem contas de seus atos e proteger os direitos das vítimas.”

Karim Khan anunciou nesta segunda que solicitou ordens de detenção contra o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e três dirigentes do movimento islamista palestino Hamas, por supostos crimes de guerra e contra a humanidade.

Depois de mais de 200 dias de guerra entre Israel e Hamas, o procurador do tribunal com sede em Haia indicou em um comunicado que tramitou as ordens de prisão de Netanyahu e seu ministro da Defesa, Yoav Gallant, por “matar deliberadamente de fome civis”, “homicídio intencionado” e “extermínio e/ou assassinato” na Faixa de Gaza.

“Os crimes contra a humanidade mencionados fazem parte de um ataque generalizado e sistemático contra a população civil palestina em cumprimento da política de uma organização. Segundo as nossas conclusões, alguns desses crimes continuam sendo cometidos”, declarou Khan.

O pedido também afeta Mohammed al Masri, mais conhecido como “al Deif”, chefe das brigadas Ezzedine al Qassam, o braço militar do Hamas, e Ismail Haniyeh, líder do escritório político do movimento palestino que reside no Catar.

“Afirmamos que os crimes contra a humanidade aos quais se faz referência nos pedidos fazem parte de um ataque generalizado e sistemático realizado pelo Hamas e outros grupos armados em cumprimento da política de uma organização”, afirmou o procurador na declaração.

O Hamas condenou a decisão e criticou “as tentativas do procurador do Tribunal Penal Internacional de equiparar a vítima com o carrasco ao ditar ordens de prisão contra vários dirigentes da resistência palestina”.

A África do Sul, defensora fervorosa da causa palestina, apresentou vários recursos nos últimos meses perante a Corte Internacional de Justiça, maior instância judicial da ONU, também com sede em Haia, acusando especialmente Israel de cometer “genocídio” em Gaza.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo