OAB quer acesso às mensagens de Moro e Deltan sobre Lula

A defesa do ex-presidente argumenta que as conversas vazadas comprovam que houve parcialidade do ex-juiz e dos procuradores de Curitiba

Fotos: Reprodução

Fotos: Reprodução

Justiça

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai entrar com representação no Supremo Tribunal Federal (STF) na segunda 8, para solicitar acesso às mensagens da Operação Spoofing sobre o ex-presidente Lula.

A medida foi proposta pela conselheira do Distrito Federal, Daniela Teixeira, e aprovada por unanimidade pelo conselho da entidade.

Em janeiro deste ano, Ricardo Lewandowski, ministro do Supremo, autorizou que a defesa de Lula tivesse acesso às mensagens trocadas entre Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

 

 

Parte do conteúdo das conversas, ocorridas em grupos de WhatsApp e Telegram, foi divulgado no ano passado pela série de reportagens “Vaza Jato”, do The Intercept Brasil.

Desde a divulgação pelo site jornalístico, Moro nega a autenticidade das conversas e defende que a troca de informações entre juízes e procuradores é ‘normal’.

O ex-juiz mantém o posicionamento mesmo agora, que a Polícia Federal apurou e confirmou veracidade das mensagens.

A defesa do ex-presidente argumenta que as conversas vazadas comprovam que houve parcialidade de Moro e dos procuradores de Curitiba.

A intenção dos advogados de defesa é utilizar o material para comprovar a suspeição de Moro e anular as sentenças firmadas contra Lula. Até o momento, o mérito não foi apreciado pelo Supremo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem