Justiça

Moraes decreta a prisão preventiva de bolsonarista que ameaçou políticos e ministros do STF

O magistrado atendeu a um pedido da PF, que diz que ‘o investigado busca arregimentar apoiadores e estimula a adesão de pessoas à sua conduta’

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, decretou no domingo 31 a prisão preventiva do bolsonarista de Ivan Rejane Pinto, conhecido como Ivan Papo Reto, que ameaçou integrantes da Corte e políticos de esquerda.

O magistrado atendeu a um pedido da Polícia Federal, que diz que “o investigado busca arregimentar apoiadores e estimula a adesão de pessoas à sua conduta, com a finalidade de constranger, pela grave ameaça e/ou violência efetiva”.

“Assim, ‘comprovada a materialidade do crime e havendo informações aptas a apontar Ivan Rejane como autor do fato, bem como demonstrado risco à ordem pública e o perigo de ineficácia da resposta estatal em caso de sua soltura, diante do prosseguimento da prática apontada como criminosa com o mesmo modo de agir’ representa a autoridade policial pela decretação da prisão preventiva”, escreveu Moraes na decisão.

O militante, que está preso desde sexta-feira 22, ainda chegou a divulgar um vídeo horas antes de ser detido em que critica Moraes e o chama de Xandão.

“As tchutchucas do PT estão em desespero porque sabem que nós da direita vamos fazer o maior 7 de setembro da história”, disse o bolsonarista na gravação. “É o STF que rasga a Constituição e eu tenho o direito de chamar todos esses caras de vagabundos e mentirosos”.

Em seu despacho, Moraes argumentou que “é possível verificar, em certo grau, a extensão da divulgação do conteúdo criminoso objeto de investigação nestes autos, tendo o investigado criado diversas listas de transmissão de mensagens (nove) e se vangloriado do tamanho de seu canal na rede Kwai (mais de 94 mil seguidores)”.

Também no domingo, a vice-procuradora-geral da República Lindôra Araújo defendeu que Ivan fosse colocado em prisão domiciliar. A avaliação dela era a de que, ‘não obstante a gravidade das condutas perpetradas’ pelo militante, ‘medidas cautelares diversas da prisão preventiva são suficientes para impedir a reiteração delitiva e assegurar a eficácia da investigação’.

Para Moraes, no entanto, a manutenção da restrição da liberdade do investigado, com a decretação da prisão preventiva, é a única medida capaz de garantir a ordem pública e a conveniência da instrução criminal.

Leia o despacho do ministro:

585037807-Decisao-de-Alexandre-de-Moraes-sobre-prisao-preventiva-de-Ivan-Rejane-Fonte-Boa-Pinto

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.