Justiça

Moraes concede liberdade provisória a 149 mulheres envolvidas no 8 de janeiro

Na decisão, o magistrado diz que a maioria das presas, no atual momento, não representa risco

Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liberdade provisória com aplicação de medidas cautelares para 149 mulheres que estão presas após os atos golpistas de 8 de janeiro em Brasília.

No despacho, publicado nesta quarta-feira 8, o magistrado diz que a maioria das presas, no atual momento, não representa risco processual ou à sociedade e pode responder em liberdade porque elas não são executoras principais ou financiadoras do vandalismo nas sedes dos Três Poderes.

Moraes condiciona a decisão ao cumprimento de medidas como recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana, além de uso de tornozeleiras eletrônicas.

Apesar da liberdade provisória, as mulheres, que já foram denunciadas pela Procuradoria-Geral da República, responderão pelos crimes de associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado pela violência e grave ameaça, com emprego de substância inflamável, contra o patrimônio da União e com considerável prejuízo para a vítima e deterioração de patrimônio tombado.

Outros 61 pedidos de liberdade provisória por mulheres foram negados, com a justificativa de que a prisão preventiva é necessária para a garantia da ordem pública e instrução processual penal.

De acordo com o STF, já foram concedidas 407 liberdades provisórias com medidas cautelares às mulheres, sendo que 82 permanecerão presas durante o processo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.