Justiça

Militares traficaram drogas em aviões da FAB 30 vezes, diz informante à PF

O denunciante afirmou que o esquema está em vigor desde o governo Dilma

Caça do modelo Gripen. Foto: FABRICE COFFRINI/AFP
Caça do modelo Gripen. Foto: FABRICE COFFRINI/AFP

Um depoente anônimo informou a Polícia Federal que militares usaram aviões e a estrutura da Força Aérea Brasileiro para enviar entorpecentes à Europa em pelo menos 30 oportunidades. A informação é do portal UOL.

O colaborador também informou que após a prisão do sargento Manoela da Silva Rodrigues flagrado com cocaína na Espanha, a rota do tráfico sofreu alterações. 

A partir de junho de 2019 a cocaína começou a ser exportada em navios que partiam de portos da região Sul do País. 

No entanto, mesmo com a prisão do sargento, o esquema continuou a crescer. Segundo ele, a cocaína enviada à Europa vinha do Peru ou da Colômbia. 

Conforme depoimento, a cada viagem eram transportados no mínimo 10 kg de cocaína e que o militar recrutado pelo esquema recebia mil euros por quilo transportado. 

A partir do depoimento anônimo, a polícia conseguiu identificar e localizar as pessoas apontadas como agentes de tráfico internacional. Duas delas já foram indiciadas em Inquérito Policial Militar conduzido pelo Comando da Aeronáutica. 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!