CartaExpressa

Gilmar Mendes nega habeas corpus para ex-comandante da PM preso por omissão no 8 de Janeiro

Jorge Eduardo Naime está preso há mais de 300 dias por suspeita de omissão nos atos golpistas de 8 de Janeiro

Jorge Eduardo Naime, coronel preso por atuação no 8 de janeiro. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido de habeas corpus para o coronel da Polícia Militar do Distrito Federal Jorge Eduardo Naime, preso por suspeita de omissão nos atos golpistas de 8 de Janeiro. A decisão foi assinada nesta quinta-feira 7.

A defesa citou o agravamento “do quadro de saúde físico e mental” do ex-comandante. Na segunda-feira 4, Naime passou mal e foi levado a uma unidade de saúde. Na sequência, retornou para a unidade prisional.

No documento, Gilmar Mendes afirmou que que o habeas corpus apresentado é inadmissível, já que é baseado em cima de uma decisão monocrática de um outro ministro.

Alexandre de Moraes já decidiu anteriormente sobre a manutenção da prisão para Jorge.

Em junho, Jorge Naime prestou depoimento à CPMI do 8 de Janeiro. Na ocasião, o ex-comandante do Departamento Operacional da PM-DF admitiu falhas na contenção dos ataques, mas alegou que seu setor não havia recebido os alertas de inteligência anteriores ao vandalismo.

O coronel relatou ainda que o Exército teria impedido sua tentativa de desmobilizar o acampamento bolsonarista em frente ao quartel-general da Força em Brasília, no fim de dezembro.

Naime disse ter tentado colocar os seus agentes de segurança no local, mas que “o Exército tomou a frente e disse que faria o policiamento com a própria Polícia do Exército”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.