Gilmar é escolhido relator de ação que pede fim do foro privilegiado a Flávio

Caso das rachadinhas havia ido para a 2ª instância, mas o Ministério Público contestou transferência da investigação

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Justiça

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi escolhido como relator da ação que pede o fim do foro privilegiado para o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na investigação sobre a prática de “rachadinhas”. A informação é do portal G1.

O pedido é de autoria do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). Selecionado para analisar o caso, Gilmar vai decidir se mantém a decisão que deu a Flávio o direito de ser julgado na 2ª instância no Rio de Janeiro nesta apuração.

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro havia aprovado o foro privilegiado para Flávio na quinta-feira 25, em votação com desembargadores de 2 a 1. Assim, a investigação saiu da 1ª instância.

No entanto, o MP-RJ encaminhou um documento ao presidente do STF, ministro Dias Toffoli, acusando a decisão da Justiça do Rio de descumprir decisões anteriores da Corte Suprema.

Os investigadores se baseiam em jurisprudência de tribunais superiores que orienta o fim do foro privilegiado quando o mandato termina. O caso das rachadinhas investiga práticas ilícitas de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem