Deltan Dallagnol processa Gilmar Mendes por danos morais

O procurador cita entrevistas concedidas por Gilmar Mendes nas quais, segundo ele, é ofendido pelo ministro do Supremo

Deltan Dallagnol e Gilmar Mendes. Fotos: Agência Brasil.

Deltan Dallagnol e Gilmar Mendes. Fotos: Agência Brasil.

Justiça

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, entrou com um processo contra o ministro Gilmar Mendes, do STF, por danos morais. A ação, que foi protocolada na semana passada, pede indenização no valor de 59 mil reais.

Na ação, divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo, o procurador cita entrevistas concedidas por Gilmar Mendes nas quais, segundo ele, é ofendido pelo ministro do Supremo. Gilmar chegou a chamar a Lava Jato de organização criminosa e deu declarações insinuando que os procuradores praticariam crimes.

As críticas do ministro do STF se deram depois do vazamento de conversas entre os procuradores e o ex-juiz da operação, Sergio Moro, nas quais os juristas trocavam informações, combinavam estratégias e mantinham uma relação considerada ilegal.

As críticas de Gilmar Mendes à força-tarefa não ficaram restritas às entrevistas. Na sessão de julgamento de agravo regimental 4435-DF, em 14 de março de 2019, o ministro chamou os integrantes da operação de “cretinos”, “gentalhada”, “desqualificada”, “despreparada”, “covardes”, “gângster”, “organização criminosa”, “voluptuosos”, “voluntaristas”, “espúrios”, “patifaria” e “vendilhões do templo”.

Gilmar Mendes foi condenado recentemente a pagar indenização ao juiz federal Marcos Josegrei da Silva, responsável pela Operação Carne Fraca, em Curitiba.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem