Justiça

CNJ tira do TRF-4 processo disciplinar contra Appio, mas mantém o afastamento do juiz

Na terça 19, uma decisão do ministro Dias Toffoli, do STF, anulou a suspeição do magistrado e suspendeu o processo no TRF-4

O juiz Eduardo Appio. Foto: Reprodução/Justiça Federal
Apoie Siga-nos no

O corregedor nacional de Justiça, ministro Luís Felipe Salomão, manteve nesta quarta-feira 20 o afastamento do juiz Eduardo Appio da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelos processos remanescentes da Lava Jato na primeira instância.

Salomão também decidiu “avocar”, ou seja, assumir a responsabilidade pelo processo administrativo disciplinar contra Appio em tramitação no Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Na terça-feira 19, uma decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, anulou a suspeição de Appio e suspendeu o processo administrativo contra o magistrado no TRF-4.

“Como visto, constata-se que o relator da exceção de suspeição descumpriu frontal, consciente e voluntariamente reiteradas decisões desta Suprema Corte”, diz um trecho da ordem de Toffoli.

O Conselho Nacional de Justiça conduz atualmente uma correição – investigação interna – na 13ª Vara e no TRF-4, responsáveis pela Lava Jato nas duas primeiras instâncias.

Segundo o despacho assinado por Salomão nesta quarta, “não há razão” para que o procedimento contra Appio continua a tramitar no TRF-4.

“Para viabilizar a análise conjunta de referidos processos – o que, somado aos trabalhos da correição extraordinária realizada por esta Corregedoria Nacional de Justiça, contribui para uma melhor instrução e esclarecimentos dos fatos –, avoco a este Conselho Nacional de Justiça o processo administrativo disciplinar em face do magistrado Eduardo Fernando Appio”, decidiu o corregedor.

Appio está afastado do cargo desde 22 de maio. A decisão do TRF-4 atendeu a uma representação do desembargador federal Marcelo Malucelli, que afirmou que seu filho, João Eduardo Barreto Malucelli, recebeu uma ligação telefônica com “ameaças”. O tribunal teria indícios de que Appio seria o responsável pelo telefonema. A defesa do juiz nega a acusação.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo