CartaExpressa

CGU pede ao STF acesso à delação de Mauro Cid, ex-ajudante de Bolsonaro

Militar está envolvido no caso das joias e da fraude em cartões de vacinação

O tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid. Foto: Bruno Spada / Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A Controladoria-Geral da União pediu ao Supremo Tribunal Federal o acesso à delação de Mauro Cid, tenente-coronel do Exército e ex-chefe da Ajudância de Ordens da Presidência da República durante o governo de Jair Bolsonaro (PL).

A informação é do portal R7, desta sexta-feira 24.

O militar havia prestado depoimento à Polícia Federal sobre os escândalos das joias e da fraude em cartões de vacinação. De acordo com o veículo a CGU requer elementos que estejam relacionados com esses casos.

Entre esses elementos, estariam relatórios, fotografias, gravações de vídeo, registros de transferências bancárias e informações prestadas na oitiva.

Além disso, o órgão requer registros de conversas do tenente-coronel com Júlio César Vieira Gomes, ex-secretário da Receita Federal; Bento Albuquerque, ex-ministro de Minas e Energia; e Marcelo Câmara, assessor de Bolsonaro. Também fazem parte do pedido diálogos de Cid sobre os cartões de vacinação.

Segundo a CGU, esses itens podem auxiliar na eventual responsabilização de servidores envolvidos nesses casos. Neste momento, Cid está em liberdade provisória, mas cumpre medidas cautelares, como o uso de tornozeleira eletrônica. Ele estava preso desde maio pelo caso das vacinas contra a Covid-19.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo