Caso Marielle Franco: Escritório do Crime é alvo de operação no Rio

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Justiça

Na manhã desta terça-feira 30, o Ministério Público e a Polícia Civil cumprem, no Rio de Janeiro, quatro mandados de prisão e 20 de busca e apreensão contra o Escritório do Crime, grupo investigado pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes.

O principal alvo, segundo o jornal O Globo, é  Leonardo Gouvea da Silva, o Mad, substituto do ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Adriano Magalhães da Nóbrega, à frente da organização criminosa.

“Não tenho nada com a morte da Marielle”, reagiu Mad assim que o delegado Daniel Rosa, da Delegacia de Homicídios, anunciou a sua prisão.

De acordo com o jornal carioca, Mad e seu grupo são acusados do assassinato do empresário Marcelo Diotti da Mata, no dia 14 de março de 2018.  A data do homicídio coincide com a dos assassinatos de Marielle e Anderson. Os dois crimes ocorreram à noite.

Pistoleiros da quadrilha praticam execuções por encomenda há mais de 10 anos, apontam as investigações. Os crimes foram mantido mesmo após morte de Adriano.

 Mad, que foi preso na manhã desta terça. Foto: Reprodução TV Globo

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem