Justiça

Associação de juízes se junta a ação e tenta evitar anulação de concurso só para mulheres

A AJD se manifestou pela legalidade do processo, que atende a uma determinação do CNJ para promover a paridade de gênero no Judiciário

Sede do Tribunal de Justiça de SãoFoto: Divulgação/TJ-SP
Apoie Siga-nos no

A Associação de Juízas e Juízes pela Democracia, a AJD, apresentou ao Tribunal de Justiça de São Paulo um pedido de ingresso como amicus curiae na ação que busca anular um concurso para desembargadores voltado exclusivamente a mulheres. 

A ação foi apresentada por um grupo de 20 juízes que questionam o edital do concurso destinado a promover por merecimento apenas mulheres. 

A medida adotada pelo presidente do TJ-SP, desembargador Fernando Antonio Torres Garcia, se baseia em uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Justiça que cria uma regra de alternância de gênero para o preenchimento de vagas na segunda instância do Judiciário. 

O ato normativo estabelece a criação de duas listas, uma feminina e outra mista para a promoção por crédito de merecimento. 

Na última quarta-feira 27, o desembargador Campos Mello negou um pedido de liminar do grupo de juízes contrários ao concurso.

No pedido apresentado ao TJ-SP, a AJD afirma não haver qualquer ilegalidade ou abuso de poder na abertura do concurso e sustenta que o ato normativo “deu efetividade” à determinação do CNJ. 

“No caso em tela, não se está a impugnar o ato que determinou a realização do concurso para preenchimento de um cargo de desembargadora por merecimento, mas, sim, a referida resolução que foi editada, justamente, para se ter respeitada a garantia constitucional da igualdade de gênero”, argumenta a entidade.

A AJD aponta também que “não se trata apenas de uma questão individual, mas, sim, de tema de interesse institucional”, uma vez que a norma impacta “toda a magistratura nacional, em especial, para as magistradas mulheres que buscam há anos a paridade”.

Caso seja acolhida como amicus curiae, a associação poderá participar dos debates e acompanhar o processo de perto. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo