Esporte

Lula sanciona lei para evitar o doping acidental por atletas

O texto prevê um novo alerta nos rótulos, nas bulas e nos materiais destinados a propaganda

Foto: Prefeitura de Jundiaí (SP)
Apoie Siga-nos no

A partir de julho, todos os medicamentos que contenham substâncias proibidas pelo Código Mundial Antidopagem deverão obrigatoriamente trazer esse alerta nos rótulos, nas bulas e nos materiais destinados a propaganda. A determinação consta de uma lei sancionada na quinta-feira 11 pelo presidente Lula (PT).

O Senado aprovou  o texto em dezembro, com o objetivo de ajudar a evitar o chamado doping acidental, constatado principalmente no mundo do esporte de alto rendimento. A proposta já previa que a regra entraria em vigor seis meses depois da sanção presidencial.

Durante a votação do projeto no plenário, senadores ressaltaram que a falta de informações sobre substâncias proibidas é a maior causa da ingestão acidental de medicamentos proibidos.

Leila Barros (PDT-DF), ex-atleta, lembrou um episódio em que a ginasta Daiane dos Santos foi suspensa de competições por cinco meses após o uso inadvertido de uma substância proibida em um diurético usado por ela durante um tratamento estético. O caso aconteceu em 2010.

Segundo a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem, o doping é a utilização de substâncias ou métodos proibidos, capazes de promover alterações físicas e/ou psíquicas que melhoram artificialmente o desempenho esportivo do atleta.

(Com informações da Agência Senado)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo