Esporte

Daniel Alves devolveu 150 mil euros ao pai de Neymar, diz sua advogada

Jogador foi condenado por estuprar uma mulher nos banheiros de uma boate de Barcelona no final de 2022

Daniel Alves deixa a prisão na Espanha - Foto por LLUIS GENE / AFP
Apoie Siga-nos no

O jogador brasileiro Daniel Alves, condenado na Espanha por estupro, devolveu ao pai do craque Neymar os 150 mil euros (cerca de R$ 817 mil pela cotação atual) que recebeu para pagar a sua defesa, disse nesta quarta-feira 10 a sua advogada.

“Dani Alves devolveu os 150 mil euros a Neymar há uma semana”, disse a advogada Inés Guardiola numa mensagem enviada à AFP através da antiga assessoria do Barcelona e do PSG, sem revelar os motivos do reembolso.

O pai do camisa 10 da seleção brasileira, Neymar Santos, disse em janeiro que ajudou Alves, que na época não havia sido condenado, num gesto que gerou muitas críticas no Brasil.

Em março, um mês depois de o lateral-direito ter sido condenado a quatro anos e meio de prisão, negou que ele, seu filho ou a família fossem pagar a fiança de um milhão de euros necessária para que fosse libertado provisoriamente enquanto recursos contra sua sentença são julgados.

“Espero que o Daniel encontre junto à sua própria família todas as respostas que ele procura. Para nós, para minha família, o assunto terminou. Ponto final!”, disse então Neymar Santos em mensagem no Instagram.

Alves, de 40 anos, foi libertado no dia 25 de março da prisão onde estava desde o final de janeiro de 2023, após pagar a fiança.

O jogador foi condenado por estuprar uma mulher nos banheiros de uma boate de Barcelona no final de 2022, após disputar a Copa do Mundo do Catar.

Depois de sua entrada na prisão provisória, seu então time, o Pumas do México, rescindiu seu contrato. O possível retorno do lateral-direito ao futebol é uma incógnita.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo