Educação

SP: Escolas estaduais vão voltar a servir merenda aos estudantes

Segundo o governo, os 770 mil alunos mais vulneráveis poderão ir às escolas todos os dias para se alimentar a partir de 1º de fevereiro

O governador João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo
Apoie Siga-nos no

O governo de São Paulo anunciou nesta quinta-feira 28 que, a partir do dia 1º de fevereiro, as escolas estaduais voltarão a servir merenda aos estudantes. O retorno do ano letivo na rede pública está marcado para o dia 8 de fevereiro.

 

Segundo anúncio do governador João Doria (PSDB) nas redes sociais, a medida vai privilegiar os 770 mil estudantes mais vulneráveis, para os quais a merenda será servida diariamente.

Os demais alunos poderão ter acesso à merenda nos dias em que estiverem presencialmente nas escolas, que retomarão as atividades em esquema de rodízio com capacidade diária de até 35% dos alunos. Ainda assim, podem se alimentar diariamente nas escolas, desde que as famílias sinalizem a necessidade via cadastro.

A orientação é que as famílias dos alunos e os estudantes maiores de 18 anos que tenham interesse em receber a merenda a partir do dia 1º de fevereiro, antes do início do ano letivo oficial, precisam manifestar interesse no portal da Secretaria Escolar Digital – SED. Caso tenham dificuldade de acesso, podem procurar a escola para auxiliá-los.

“A rede estadual de Educação, com mais de cinco mil escolas, vai oferecer a merenda completa para todos os alunos da rede pública estadual seguindo o sistema de revezamento para evitar aglomerações e obedecer aos critérios sanitários”, disse Doria.

Durante o fechamento total das escolas, o governo do estado ofereceu auxílio alimentação no valor de 55 reais mensais aos estudantes cadastrados no Bolsa Família ou em situação de extrema pobreza reconhecida pelo CadÚnico.

O atendimento contemplou cerca de 773 mil estudantes, 23,3% da rede, que tem um total de 3,5 milhões de alunos. Mais de 2,5 milhões ficaram de fora do atendimento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo