Plano de volta às aulas no Espírito Santo prevê “ritos de despedida” em caso de mortes

Documento é alvo de críticas nas redes sociais. Professor fala em 'insensibilidade'

Sala de aula no Espírito Santo. Créditos: divulgação Sedu

Sala de aula no Espírito Santo. Créditos: divulgação Sedu

Educação

Um trecho do plano de retorno às aulas presenciais na rede pública estadual do Espírito Santo vem sendo motivo de discussão. O documento, disponível no site da Secretaria da Educação do estado (Sedu), garante a organização de “ritos de despedida” nas escolas, em caso de mortes de alunos ou profissionais das unidades.

“Havendo óbitos de alunos ou de profissionais da escola, e se for algo desejado pela comunidade escolar, o grupo pode organizar ritos de despedida, homenagens, memoriais, formas de expressão dos sentimentos acerca da situação e em relação à pessoa que faleceu, e ainda atentar para a construção de uma rede socioafetiva para os enlutados”.

A passagem integra a parte do documento que aborda o acolhimento aos profissionais e estudantes em processo de elaboração do luto.

Trecho do plano de retomada das aulas no Espírito Santo.

 

O documento seguirá disponível para consulta pública no site da Sedu até o dia 14 de setembro e aborda aspectos pedagógicos, psicossociais e sanitários e administrativos.

Para o professor da rede estadual Swami Cordeiro Bérgamo, o trecho demonstra a insensibilidade do governo do estado diante do debate sobre a volta às aulas, além da tentativa de responsabilizar a comunidade escolar e a sociedade pela situação iminente. “O  que fica para nós é uma sensação de continuidade, ou seja, havendo mortes, seguimos os ritos permitidos no protocolo e depois tocamos as aulas normalmente”, critica.

O caso também repercutiu de maneira negativa nas redes sociais. O dirigente da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, se referiu ao plano como “mórbido”. “Se há risco de óbito, e é óbvio que há, não é aceitável o retorno às aulas presenciais”.

 

O especialista ainda falou em traços de uma necropolítica em andamento. “A incompreensão de algo tão simples desnuda a vigência cruel da necropolítica no Brasil. Que, aliás, pode ser tratada como um traço da nossa tradição. Quem vocês acham que irá morrer?”, completou.

O plano de retomada às aulas no estado

O documento fala em uma volta às aulas gradual, com etapas e revezamento. As turmas deverão ser divididas: 50% no ensino presencial e 50% no remoto. Embora o plano não apresente uma data definida, o governador Renato Casagrande (PSB) sinalizou a retomada para outubro.

Ainda de acordo com o plano, as escolas podem priorizar as aulas presenciais, sem revezamento, para os alunos sem acesso a recursos tecnológicos, desde que respeitadas as condições sanitárias e de distanciamento físico.

A retomada da etapa presencial será iniciada com os professores, com atividades de acolhimento e planejamento coletivo. Sete dias depois, começa a primeira etapa que envolve os estudantes do Ensino Médio, da Educação Profissional e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). 15 dias depois, deve ter início a fase 3, que inclui os anos finais do Ensino Fundamental. 15 dias mais tarde, o plano entra na fase 4, com o retorno dos alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental.

Ainda de acordo com o texto, “estudantes pertencentes a grupos de risco, e que apresentem laudo de comorbidade, devem ficar em casa”.

 

O plano ainda afirma que “todos os casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 sejam imediatamente colocados em quarentena, sem que haja prejuízo à frequência escolar e ao processo educativo”.

Para Bérgamo, embora a proposta aparente segurança,  não há como garanti-la diante das especificidades do processo educacional. “As condições vão muito além de álcool gel e máscara, é uma complexidade ampla. Estamos falando de um alto quantitativo de estudantes e da imaturidade das crianças diante da doença. Além disso, temos escolas precárias que apresentam falta de água, bebedouros e ventilação“, esclarece.

O docente ainda fala sobre a logística para que professores, demais profissionais e alunos cheguem até as escolas. “No setor urbano, precisamos considerar a situação do transporte público, que já sofre de superlotação com a redução da frota. Nas áreas ruais, quando há transporte público, o motorista fica sozinho, sem condições de controlar a interação entre os estudantes”, pondera.

Na visão do professor, o processo também não se justifica pela proximidade do fim do ano letivo. A Secretaria da Educação se decidiu no mês passado pelo encerramento das aulas no dia 23 de dezembro. Ainda de acordo com a decisão, os conteúdos não aprendidos este ano serão ministrados em 2021.
“Entendo que essa pressão para o retorno tem muito do desejo de agradar ao setor empresarial, já que o diálogo do governo se deu primeiramente com o sindicato dos donos de escolas particulares, até mesmo antes do que com o conselho estadual de educação. É uma concepção equivocada”, critica Bérgamo.

A resposta da Secretaria de Educação

O secretário de estado da Educação, Victor Angelo, classificou a interpretação do plano de retomada como fake news, “no sentido de uma leitura equivocada”. “O trecho colocado no plano nem de longe traz a morbidez apontada por educadores e especialistas”, afirmou.

“Quem fez uma leitura psíquica do documento sabe que ali tem um olhar sensível e humanizado, na perspectiva de uma escola acolhedora. Estamos passando por um momento muito difícil e prevendo que, quando esse retorno às escolas acontecer, lidaremos com pessoas impactadas pela perda de pessoas queridas, e também pelo isolamento, com questões como angústia e ansiedade. É natural que façamos das escolas não só um local de ensino, mas de acolhimento”, completou, afirmando que o texto se baseou em um protocolo da Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz).

Questionado sobre as críticas à estrutura física das escolas, o secretário afirmou que a pasta irá levar em conta a situação das unidades ao pautar o retorno. “Sabemos que a situação da rede pública brasileira carece de ajustes, mas onde estavam essas pessoas que estão reclamando só agora? Uma escola que não oferece água nem devia estar funcionando, emendou.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem