Educação

Ministro da Educação diz que jovens se tornaram “zumbis existenciais” por não acreditarem em Deus

Durante evento contra suicídio e mutilação, o ministro também criticou materiais didáticos

O novo ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro. Foto: PR
O novo ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro. Foto: PR

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse nesta quinta-feira 10 que parte dos jovens brasileiros é formada por “zumbis existenciais” que não acreditam em Deus.

“Nós temos hoje no Brasil, motivados creio eu, meu diagnóstico, por essa quebra de absolutos e de certezas, verdadeiros zumbis existenciais. Não acreditam mais em nada, desde Deus à política. Eles não têm nenhuma motivação”​, afirmou Ribeiro.

A declaração foi feita durante evento de lançamento de ações contra o suicídio e a mutilação, no Palácio do Planalto, do qual também participou o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.

Ribeiro ainda citou a falta de referencial dos jovens brasileiros e um “vazio existencial” que os levaria a viver sem propósitos e a tirar a própria vida.

“Nós vivemos em um tempo de desconstrução de tudo. De tudo o que é valor, de tudo o que é absoluto. De todas as certezas da vida”, disse. “Não há mais uma juventude que acredite nas coisas como Deus, religião, política e família. Eles perdem totalmente o referencial”​, ressaltou.

Em seu discurso, o ministro criticou o que chamou de “grande moda dos sociólogos e filósofos” que teria como mote desconstruir valores e ideias e não colocar “nada no lugar”.

Ribeiro, que também é pastor, ainda criticou o conteúdo de materiais didáticos que, segundo ele, não são adequados às faixas etárias às quais se destinam.

“Quando olho os livros no Ministério da Educação, livros antigos, vejo algumas críticas que seriam próprias, talvez, para um quase jovem, não para uma criança de sexto ano”, declarou. “São discussões e desconstruções históricas que, para mim, não são oportunas naquela faixa etária”, completou o ministro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!