Educação

MEC deve suspender cronograma de implementação do Novo Ensino Médio

Suspensão deve acontecer enquanto ocorre a consulta pública proposta pelo Ministério da Educação sobre o tema

O ministro da Educação, Camilo Santana. Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Educação deve suspender a portaria que estipula o cronograma da implementação do Novo Ensino Médio. O governo vem sendo pressionado a revogar a Reforma do Ensino Médio, aprovada pelo ex-presidente Michel Temer (MDB).

Em entrevista ao Diário do Nordeste, o ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou que as mudanças já implementadas no curso da Reforma do Ensino Médio desde 2022 não devem ser cobradas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Deveremos suspender qualquer mudança no Enem em relação a 2024 por conta dessa questão do novo ensino médio”, declarou.

O ministro também acrescentou que “não é só simplesmente chegar e revogar; é preciso discutir [a reforma]”.

A pasta já havia se pronunciado sobre o assunto ao dizer que faria uma “ampla pesquisa com toda a comunidade escolar” para “corrigir distorções”.

Embora o Ministério da Educação ainda não tenha se pronunciado oficialmente sobre o tema, uma reportagem da Folha de São Paulo apurou que a suspensão da portaria que institui o Novo Ensino Médio deve se dar enquanto perdura a consulta pública aberta pelo MEC sobre o tema. A consulta tem 90 dias de duração, com possibilidade de prorrogação, e mais 30 dias para o Ministério da Educação elaborar um relatório. A expectativa é a de que uma nova portaria seja publicada nos próximos dias com a interrupção do prazo de implementação da política.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.