Educação

Inimigo do bolsonarismo, Paulo Freire ganha estátua na Universidade de Cambridge

Trata-se de uma homenagem da universidade britânica ao centenário de seu nascimento

Professores da Universidade de Cambridge diante do busto de Paulo Freire Foto: Reprodução / Instagram
Professores da Universidade de Cambridge diante do busto de Paulo Freire Foto: Reprodução / Instagram

Nesta semana a Universidade de Cambridge, na Inglaterra, inaugurou um busto de bronze em homenagem ao patrono da educação, Paulo Freire.

Apesar de o educador não ser popularmente conhecido no Reino Unido, sua didática de ensino, moldada no pensamento crítico, influenciaram a educação ao redor do mundo. 

A homenagem é definida pelos professores da instituição como um símbolo da “tolerância e diálogo” em tempos de “guerra cultural” no ambiente acadêmico. 

A inauguração foi realizada no seminário “Por que o espectro de Paulo Freire está assustando a direita brasileira?”, sobre o significado político do legado do autor.

A estátua, adquirida pela universidade britânica, foi criada pelo artista plástico Murilo Sá Toledo. Ela é similar àquelas encomendadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra para celebrar o centenário do professor pelos assentamentos do País. 

No Brasil, Paulo Freire é constantemente alvo de ataques por parte do presidente Jair Bolsonaro. 

Em uma oportunidade, o chefe do governo federal chegou a ameaçar “entrar no ministério da educação com um lança-chamas” para remover todos os vestígios dos ensinamentos do educador. 

Chamado de energúmeno pelo presidente, seu livro, Pedagogia do oprimido é o terceiro livro mais citado por pesquisadores de ciências humanas do mundo. 

Após o início dos ataques, a procura por títulos do patrono da educação registraram um crescimento de até 705%. 

Marina Verenicz

Marina Verenicz
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!