“Feio, fraco e não tem resultado positivo”, diz Weintraub sobre Paulo Freire

Em entrevista ao deputado federal Eduardo Bolsonaro, o ministro da Educação também voltou a atacar a esquerda

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, concede entrevista ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP). Foto: Reprodução Youtube

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, concede entrevista ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP). Foto: Reprodução Youtube

Educação

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a atacar o educador brasileiro Paulo Freire. Em uma entrevista concedida ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), divulgada em seu canal do Youtube neste domingo 1, o ministro disse que Freire é “feio, fraco e não tem resultado positivo”.

“Ele (Paulo Freire) é tão ruim que ele é bom. É como a Dilma. Ele é feio, fraco, não tem resultado positivo e o pessoal quer defender, então é bater em morto”, justificou o ministro, que fez a declaração ao receber de presente de Eduardo um livro que critica o método de educação de Paulo Freire.

Essa não é a primeira vez que integrantes do governo atacam o renomado educador brasileiro. O próprio presidente Jair Bolsonaro afirmou, em dezembro de 2019, que Paulo Freire era um “energúmeno” e sinalizou a intenção de lhe retirar o título de patrono da educação.

Paulo Freire, que quando vivo recebeu 29 títulos de Doutor Honoris Causa dados por universidades da Europa e da América, foi homenageado no desfile da escola de samba de São Paulo Águia de Ouro, que venceu o carnaval de 2020. Com enredo sobre educação, a escola trouxe um carro exaltando a importância do educador brasileiro para o tema.

Na entrevista, Weintraub também comentou sobre os erros do Enem, classificado por ele como o “melhor de todos os tempos”; falou sobre as escolas cívico-militares que o governo está colocando em prática em alguns estados, e, como de praxe, atacou a esquerda e disse que o projeto da oposição é “destruir as famílias”.

Assista:

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem