Seis reações à retirada de Paulo Freire como patrono da educação

Nas redes sociais, lideranças e educadores reagem à declaração do presidente:

Foto: MST

Foto: MST

Educação

A declaração do presidente Jair Bolsonaro de retirar o educador Paulo Freire como patrono da educação brasileira ganhou destaque nas redes sociais. O assunto Paulo Freire ficou entre os mais comentados do Twitter nesta terça-feira 30.

Na segunda-feira 29, em uma agenda em Ribeirão Preto, Bolsonaro concedeu entrevista à repórter-mirim Esther Castilho, que mantém o programa Esther e famosos no Youtube. Na conversa, precisamente no minuto 11’24, ele sugere a possibilidade de a criança ser a patrona da educação e emenda: “quem sabe nós temos uma patrona da educação e não mais um patrono, muito chato, não precisamos dizer quem é, mas vai ser mudado”.

O educador e filósofo pernambucano foi nomeado patrono da educação brasileira em 2012, pela Lei 12.612, sancionada pela ex-presidenta Dilma Rousseff. A homenagem foi proposta pela deputada federal Luiza Erundina que, quando prefeita de São Paulo (1989 – 1993), o nomeou como Secretário de Educação.

 

Veja algumas das reações à possível mudança:

1. Fernanda Melchionna, ativista social e deputada federal pelo PSOL-RS

2. Gerd Wenzel, comentarista da ESPN Brasil, colunista da Deutsche Welle

3. Carlos Minc, deputado estadual pelo PSB-RJ

 

4. Ivan Valente, deputado federal pelo PSOL-SP

5. Trajano, jornalista

6. Luiza Erundina, deputada federal pelo PSOL-SP 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem