Educação

Em posse, ministro da Educação fala em compromisso com estado laico: “Deus me ajude”

O pastor Milton Ribeiro, que assumiu o MEC nesta quinta, também falou em diálogo com acadêmicos e educadores

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, tomou posse nesta quinta-feira 16 em uma cerimônia no Palácio do Planalto. No momento da nomeação, o ministro disse em abrir um grande diálogo com acadêmicos e educadores.

“Queremos abrir um grande diálogo para ouvir acadêmicos e educadores que, como eu, estão entristecidos com o que vem acontecendo com a educação em nosso país, haja visto nossos referenciais e colocações no ranking do Pisa”, declarou.

Ribeiro, que é pastor, ainda afirmou ter compromisso com o estado laico. “Conquanto tenho a formação religiosa, meu compromisso que assumo hoje está bem firmado e bem localizado em valores constitucionais da laicidade do Estado e do ensino público. Assim Deus me ajude”, disse.

 

O presidente Jair Bolsonaro, que acompanhou a nomeação por vídeo conferência, disse que “com toda certeza” o entendimento se fará em torno da gestão de Ribeiro, que é o quarto ministro a comandar o MEC em pouco mais de um ano e meio de seu governo.

“Existe, hoje em dia, uma gama enorme de excelentes e excepcionais professores em todos os níveis no Brasil. E, com toda a certeza, com a chegada de um ministro voltado para o diálogo, usando a sua experiência e querendo o melhor para as crianças, esse entendimento se fará presente”, declarou o presidente”.

Bolsonaro ainda disse que a transição da gestão será tranquila e pediu ao novo ministro que monte a nova equipe com o mesmo espírito.

“A transição será tranquila. Você terá como pontualmente colocar gente ao teu lado com o mesmo espírito teu. Se bem que, pode ter certeza, grande parte do ministério pensa como você. E eles agora, na tua pessoa, terão como fazer valer o seu potencial para que venhamos a dar melhor do seu ministério para o Brasil, fato esse que nos libertará”, acrescentou.

Ainda durante a cerimônia, o novo ministro negou que tenha defendido o uso de violência física na educação escolar e reiterou que nunca defenderá tal prática. “Jamais falei em violência física na educação escolar e nunca defenderei tal prática, que faz parte de um passado que não queremos de volta”, disse o ministro.

No entanto, a fala foi retirada de vídeos que começaram a circular pelas redes sociais tão logo o seu nome foi anunciado para comandar o MEC. Milton Ribeiro afirma que uma porcentagem pequenas das crianças entendem o argumento que é preciso ser severo, e que as crianças “devem sentir dor”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.