Educação

Delegado da Polícia Federal assume presidência do Inep

Elmer Coelho Vicenzi é especialista em Direito Penal; ainda segue vago o cargo de coordenador do Enem

Elmer Coelho Vicenzi (Foto: José Cruz/ Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, nomeou nesta segunda-feira 15 o presidente do Inep: Elmer Coelho Vicenzi, Delegado da Polícia Federal, especialista em Direito Penal pela Escola Paulista de Direito.

Também foi professor da Academia Nacional de Polícia e diretor do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), onde gerenciou a implementação da Carteira Digital de Habilitação.

Vicenzi ocupa o cargo que estava vago desde o dia 26 de março, quando o então presidente Marcus Vinicius Rodrigues foi demitido, após se envolver em uma polêmica, ainda na gestão de Vélez Rodríguez. Ele teria tomado a decisão de adiar a avaliação da alfabetização dos estudantes para 2021, medida que teria desagradado ao ex-ministro.

O Inep, órgão vinculado ao MEC e responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ainda tem um cargo importante vago, o de coordenador do Enem. A posição foi ocupada por Paulo César Teixeira, que pediu demissão um dia depois do afastamento do ex-presidente Marcus Vinicius Rodrigues.

 

O cargo é de fundamental importância para acompanhar a operação de impressão e distribuição das provas do Enem, que estão agendadas para os dias 3 e 10 de novembro.

No início do mês, a gráfica responsável pela impressão das provas, a RR Donnelley Editora, anunciou o fim das operações no Brasil, gerando dúvidas quanto ao cumprimento do cronograma. O Inep garantiu que as datas serão cumpridas, mas até o momento não se tem o nome da gráfica substituta.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.