Educação

Defensoria pede novo adiamento do Enem: ‘Exame não foi feito em segurança’

Candidatos barrados e lotação das salas motivaram o pedido. Essa é a segunda ação judicial apresentada pelo órgão

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Defensoria Pública da União entrou nesta segunda-feira 18 com um pedido para adiar o segundo dia de provas do Enem, marcado para o próximo domingo 24. O primeiro dia do exame foi marcado por um número de faltas histórico, de quase três milhões de candidatos. Além dos alunos que deixaram de comparecer aos locais de prova, muitos não puderam entrar nas salas devido à lotação. 

 

Este é o segundo pedido feito pela Defensoria Pública à Justiça Federal de São Paulo para adiar a realização do Enem. O primeiro, apresentado no dia 8 de janeiro, foi negado. O órgão recorreu, mas recebeu mais uma negativa, às vésperas do primeiro dia de prova.

A nova ação também solicita o estabelecimento de datas para a reaplicação do exame, em caráter de urgência, para os candidatos que não conseguiram fazer a prova. 

“O exame não foi feito em segurança, dado que salas estiveram lotadas, e não foi sequer planejado em segurança, chegando ao cúmulo de alunos serem barrados na porta, mesmo com abstenção de mais de 50%”, argumenta o defensor João Paulo Dorini em seu pedido.

“Se os réus estivessem evidentemente preocupados com a continuidade de políticas públicas educacionais, como têm defendido em suas últimas petições, tanto o ministro da Educação quanto o presidente do Inep deveriam, no mínimo, lamentar o alto número de abstenções, e não defender que o exame foi um sucesso”, acrescenta Dorini.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo