CartaExpressa

Justiça de São Paulo nega o adiamento do Enem

Estados e municípios, no entanto, ainda podem suspender o exame em suas regiões

Créditos: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região negou, nesta quinta-feira 14, o adiamento da aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio. Com a decisão, a aplicação do Enem será nos dois próximos domingos, dias 17 e 24.

O desembargador Antonio Carlos Cedenho justificou a decisão ao afirmar  que “a suspensão do exame levará à desestabilização da educação básica e do ensino superior, em prejuízo das deliberações tomadas, do planejamento de realização da prova, dos programas de governo, de cunho assistencial e afirmativo (SISU, PROUNI, FIES e cotas sociais e raciais), e da vontade de parte significativa do corpo discente”, escreveu.

“A aplicação do exame não foi uma decisão isolada e política do Ministério da Educação. Houve a participação de setores diretamente interessados no Enem, inclusive estados e municípios, dando legitimidade e representatividade para a nova data de realização”, acrescentou.

A Defensoria e o Ministério Público pediram o adiamento da prova no dia 8 de janeiro e tiveram a negativa da Justiça de São Paulo na terça-feira 12. O recurso, então, foi parar no Tribunal, que hoje negou o pedido.

No pedido, os órgãos reforçam a impossibilidade de conter uma aglomeração. Na decisão, Cedenho pontuou que “as eleições representam um evento de dimensão continental e de aglomeração de pessoas e, não obstante, transcorreram na normalidade, com o consentimento das autoridades políticas e de saúde”.

Ao levar em conta a suspensão do Enem em Manaus, o desembargador explica que “o próprio INEP já cogita de novas datas para os municípios que, no exercício da autonomia federativa – reconhecida pelo STF no combate aos efeitos da pandemia da Covid-19 -, decidirem suspender o exame em função do crescimento de mortes e infecções. Nota-se, assim, disposição para o atendimento dos interesses de municipalidades específicas, nas quais a superlotação dos hospitais torna impraticável a mínima exposição”.

Ainda nesta quinta, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, afirmou em entrevista ao G1 que “não há garantia” de que conseguirá reaplicar a prova nas cidades que impedirem a realização do exame, devido aos casos de coronavírus.

Leia a decisão do desembargador.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.