Bolsonaro sinaliza que pode demitir Ricardo Vélez na segunda-feira

Ministro da Educação reagiu à declaração do presidente e disse que não entregará o cargo

Bolsonaro sinaliza que pode demitir Ricardo Vélez na segunda-feira

Educação

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta sexta-feira 5 que o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, não está dando certo e pode ser demitido na próxima semana. A declaração foi feita durante um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.

Segundo a imprensa, Bolsonaro alegou que “está bastante claro que não está dando certo. Na segunda-feira, vamos tirar a aliança da mão direita, ou vai para a esquerda ou vai para a gaveta”.

Vélez reagiu à possível demissão em um evento do fórum empresarial Lide, realizado também nesta sexta-feira, em Campos do Jordão, e disse que não conversou com o presidente e que não entregará o cargo.

O ministro está no epicentro de uma grave crise no MEC que já resultou em mais de uma dezena de baixas de funcionários do alto escalão desde janeiro. Um levantamento feito pelo Metrópoles com base nas dispensas publicadas no Diário Oficial da União aponta 91 demissões em 87 dias, o que dá mais de uma dispensa por dia desde que o colombiano assumiu a pasta.

Informações da Folha de S.Paulo indicam que os desligamentos, além de comprometer o funcionamento do ministério, geraram custo de 171 mil reais só com ajudas de custo.

Vélez, que não acumula experiência em gestão pública, está à frente de diversas decisões polêmicas do MEC e recorrentes recuos que, além de enfraquecerem sua imagem, sinalizam um jogo de forças entre os militares e olavistas, que têm entendimentos diferentes sobre a atuação da pasta.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem