Educação

Bolsonaro altera regras do ProUni e Haddad classifica mudanças como ‘lixo’

Presidente liberou o acesso ao Programa Universidade para Todos a alunos de escolas privadas

Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Globo

O presidente Jair Bolsonaro liberou o acesso ao Programa Universidade para Todos (Prouni) a alunos que completaram seus estudos na rede privada de ensino. A Medida Provisória foi publicada no Diário Oficial da União na madrugada desta terça-feira 7. 

Anteriormente, além dos alunos de escolas públicas, somente os estudantes da rede particular que tinham bolsa integral poderiam se inscrever no programa.

O ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT), em publicação nas redes sociais, criticou a medida.

“Um dos programas que eu mais me orgulho de ter concebido, junto com minha companheira Ana Estela. Quase 3 milhões de jovens, pobres, pretos e periféricos beneficiados. A Câmara deveria devolver para o Planalto esse lixo. Nojo”, escreveu o petista.

Com a decisão, os estudantes de escolas particulares poderão usar a pontuação do Enem para pedir o financiamento de 50% ou de 100% do valor da mensalidade das faculdades particulares. 

Isso significa que alunos da rede pública e da rede privada disputarão o mesmo benefício, deixando de considerar as desigualdades do ensino público e de garantir o acesso às universidades aos alunos mais vulneráveis. 

As regras impõem, no entanto que os estudantes da rede particular precisam comprovar que a renda familiar per capita não ultrapassa três salários mínimos. 

A Medida Provisória também altera o número de bolsas distribuídas para cotas raciais. Segundo o Planalto, o cálculo para se chegar ao número de vagas disponíveis em cada instituição deverá respeitar o percentual mínimo de autodeclarados negros, pardos, indígenas e pessoas com deficiência em cada estado. Anteriormente, o cálculo considerava a soma dos grupos. 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!