Trio vence Nobel de Física por pesquisas sobre buracos negros

Descoberta inédita foi feita graças a ondas gravitacionais

Trio vence o Nobel de Física por pesquisas sobre buracos negros. Foto: AFP.

Trio vence o Nobel de Física por pesquisas sobre buracos negros. Foto: AFP.

Ciências

O britânico Roger Penrose, o alemão Reinhard Genzel e a americana Andrea Ghez foram anunciados nesta terça-feira 6 como os vencedores do Prêmio Nobel de Física de 2020 “por suas pesquisas sobre os buracos negros”.

Metade do prêmio foi atribuída a Penrose, de 89 anos, por demonstrar “que a formação de um buraco negro é uma previsão sólida da teoria da relatividade geral”, enquanto a outra metade será dividida entre Genzel, de 68, e Ghez, de 55, pela descoberta de um “objeto compacto e extremamente pesado no centro de nossa galáxia”, explicou o júri do Nobel.

Andrea Ghez é a quarta mulher a vencer o Nobel de Física, a categoria com o maior predomínio masculino entre as seis que integram o prêmio.

Os buracos negros supermassivos são um enigma da astrofísica, sobretudo, pela maneira como se tornam tão grandes. Sua formação é objeto de muitas pesquisas. Os cientistas acreditam que devoram, a uma velocidade sem precedentes, todos os gases emitidos pelas galáxias muito densas que os cercam.

Como são invisíveis, os buracos negros podem ser observados somente por contraste, com a análise dos fenômenos que geram a seu redor. Uma primeira imagem revolucionária foi revelada ao mundo em abril de 2019.

A astrofísica e a física quântica, que se concentra no estudo do infinitamente pequeno, eram consideradas favoritas para o Nobel de 2020.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem