Editorial

assine e leia

Mediação chinesa

Pequim entre Putin e a Otan

Guterres preocupa-se à toa - Imagem: Leo Ramirez/AFP e Jean Marc Ferré/ONU
Guterres preocupa-se à toa - Imagem: Leo Ramirez/AFP e Jean Marc Ferré/ONU
Apoie Siga-nos no

Chegam de Pequim informações oficiais: a China se dispõe a atuar como mediadora do conflito que hoje ameaça a paz mundial, enquanto a União Europeia anexa países que ainda não tinham aderido à aliança, Suécia, Finlândia e Noruega. Portanto, passam a ser protegidos pela Otan. Está claro que a Ucrânia também já estava sob a proteção da Organização. Ao desferir o seu ataque imperialista, o ex-agente da KGB e hoje “czar” da Rússia Vladimir Putin pretendeu estabelecer uma nova ordem política mundial. Conseguiu, isto sim, provocar uma nova ordem ideológica. Basta observar quem está com ele para entender. As ideias que antes dividiram o mundo hoje somente dividem as gerações mais velhas, enquanto as novas já estão em outra.

De fato, Putin consegue o apoio da direita europeia. De Matteo Salvini a Marine Le Pen, sem deixar de incluir em posição destacada Viktor Orbán, todos fecham com o “czar”. Mesmo a Polônia, governada pela direita, ajuda de todas as maneiras possíveis a Ucrânia agredida, resultado do risco de ser alcançada pelo exército russo, que está praticamente às suas portas. Esta situação pode suscitar a estranheza de quantos continuam presos, mas o presente é outro, e bem diferente.

Mino Carta

Mino Carta Diretor de Redação de CartaCapital

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.