Economia

Senado aprova Galípolo e Aquino para diretorias do Banco Central

Gabriel Galípolo integrará a área responsável pelas discussões sobre a taxa básica de juros, enquanto Ailton Aquino assumirá a Fiscalização

Gabriel Galípolo (à esquerda) e Ailton Aquino (à direita) foram indicados pelo governo Lula (PT) para os cargos de Diretor de Política Monetária e Diretor de Fiscalização do Banco Central, respectivamente - Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O plenário do Senado aprovou a indicação do economista Gabriel Galípolo e do auditor-chefe do Banco Central Ailton Aquino dos Santos para comandar diretorias da instituição pelos próximos quatro anos. Ambos foram sabatinados na Comissão de Assuntos Econômicos na manhã desta terça-feira 4.

Galípolo foi indicado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para assumir a Diretoria de Política Monetária do BC, enquanto Aquino foi o escolhido para a Diretoria de Fiscalização.

Gabriel Galípolo foi aprovado com 37 votos favoráveis, 12 contrários e uma abstenção. Ailton Aquino recebeu 42 votos a seu favor, 10 contra e uma abstenção.

Com o aval, Galípolo passa a integrar a área responsável pelas discussões sobre a taxa básica de juros. O índice atual da Selic – 13,75% ao ano – é alvo de críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de setores da indústria.

Durante a sabatina, ele evitou fazer críticas ao atual estágio da taxa e acenou positivamente a Roberto Campos Neto, presidente do BC. O economista ainda disse que somente uma “taxa de juros neutra”, sem considerar as questões externas, não é “solução” para o crescimento da economia.

Indicado durante a transição entre governos, Gabriel Galípolo foi secretário-executivo do Ministério da Fazenda até maio. Mestre em Economia Política pela PUC-SP, ele presidiu o Banco Fator, instituição conhecida pelas parcerias público-privadas, entre 2017 e 2021.

Também foi chefe da Assessoria Econômica da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, em 2007, no governo de José Serra (PSDB).

Ailton Aquino dos Santos, por sua vez, será o primeiro negro a ocupar uma diretoria do Banco Central desde sua fundação, em 1964. Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual da Bahia, é auditor-chefe do BC há 25 anos e já foi chefe do Departamento de Contabilidade, Orçamento e Execução Financeira do banco.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo