Economia

assine e leia

Pés de jabuticabas

A regulamentação da mudança dos impostos do consumo exige atenção com os penduricalhos

Brecha. As exceções podem anular a tributação de jatos particulares e afins – Imagem: iStockphoto
Apoie Siga-nos no

O anúncio pelo ministro da Fazenda, Fernando ­Haddad, do projeto de tributar os fundos usados por 3,5 mil super-ricos para proteger dos impostos um patrimônio conjunto de 877 bilhões de reais e a declaração do presidente da Câmara, Arthur Lira, de que prefere deixar esse assunto para depois da promulgação da primeira parte da reforma tributária, da carga sobre o consumo, com prazo até dezembro, são um prenúncio da guerra prevista para a segunda etapa do processo, relativa à renda e ao patrimônio. Segundo economistas e parlamentares, ao contrário do que ocorrerá na segunda fase, a reforma dos tributos sobre o consumo, aprovada no começo do mês, estava em discussão há décadas, contava com o apoio maciço dos grandes setores econômicos e da mídia e não mexia com o acúmulo de riqueza.

A segunda etapa da reforma corre, portanto, um risco maior de não dar certo do que a primeira, e algumas armadilhas e cascas de banana colocadas no caminho da regulamentação daquilo que foi aprovado sugerem uma dificuldade muito maior adiante, para tributar os mais ricos.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo