Economia

assine e leia

Mão na cumbuca

A aprovação do orçamento do próximo ano escancara a queda-de-braço entre o governo e os líderes partidários

Teste. O Parlamento atrasa a votação do orçamento em busca de mais vantagens. Lira e Alcolumbre só pensam na sucessão na Câmara e no Senado – Imagem: Zeca Ribeiro/Ag. Câmara e Jefferson Rudy/Ag. Câmara
Apoie Siga-nos no

As dificuldades do governo Lula no Congresso durante o ano evidenciaram que o Brasil vive um parlamentarismo disfarçado. O reforço do Poder Legislativo nos últimos tempos deu-se com a captura de uma fatia crescente das verbas federais, por meio das chamadas “emendas”, aquelas obras que deputados e senadores incluem no orçamento. Uma situação confortável, com bônus e sem ônus, para os congressistas. Eles mandam no País, e se a população estiver fula da vida, quem paga o pato é o governo, na forma de baixa popularidade. “Emenda”, afirma um petista com mandato, “é uma palavra poderosa” atualmente. Dado que o quadro é este, chegou aquele momento de fortes emoções em Brasília: a votação do orçamento do próximo ano. “Vamos ter de fazer malabarismo”, diz um articulador político do Executivo.

São duas as encrencas por trás de negociações que se arrastam há semanas e devem ter um desfecho apenas às vésperas das férias parlamentares, marcadas para começar no dia 22. Uma é o tamanho do fundo público reservado às campanhas de prefeito e vereador em 2024. A outra diz respeito justamente às emendas. Haverá um cronograma fixado em lei que obrigue o governo a liberar o dinheiro dessas obras ao longo do ano?

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.