Economia

Maia descarta volta da CPMF após Guedes defender imposto

Para o presidente da Câmara, reforma tributária é prioridade

Rodrigo Maia e Paulo Guedes. Foto: Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), descartou a possibilidade de volta da antiga CPMF. O imposto, defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não tem chance de ser aprovado, de acordo com o parlamentar.

“Sou radicalmente contra CPMF ou um imposto disfarçado. Até 1º de fevereiro, enquanto eu for presidente, não contem com a presidência da Câmara, não será pautada criação de imposto”, disse.

Em entrevista à Globo News neste domingo 05, Maia afirmou que a aprovação de uma reforma tributária é prioridade para que o país tenha condições de futuramente retomar o crescimento, bem como uma reforma administrativa que privilegie a meritocracia no serviço público.

“Prioridade número um para Brasil voltar a ser competitivo é a reforma tributária Precisamos retomar esse debate nesta semana. Impacto de médio e longo prazo, ganho de captação de investimentos”.

A defesa da CPMF foi feita por Guedes também neste domingo em entrevista à CNNBrasil. Para ele, essa é a melhor forma de reduzir a tributação sobre a folha de pagamentos, que é “o mais cruel”.

O chefe da pasta econômica disse acreditar que a reforma tributária será aprovada ainda este ano. Guedes, contudo, não deixou claro exatamente qual a reforma tributária que o governo pretende apresentar ao Congresso.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.