Economia

Câmara aprova MP que limita compensações tributárias

O objetivo é evitar queda contínua de arrecadação por meio dessas compensações, que chegaram a cerca de 1 trilhão de reais em 2023

Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira 7 uma medida provisória a limitar o valor que o contribuinte pode pedir em compensação de tributos usando créditos obtidos por meio de decisão judicial. Falta o aval do Senado.

O relator, deputado Rubens Pereira Júnior (PT-MA), excluiu outros temas originalmente englobados pela proposta, como a desoneração da folha de pagamento e o Perse – enfrentados pelo governo em outras searas.

Segundo ele, o resultado quase unânime da votação mostra que essa é uma política de Estado e que ela trará previsibilidade ao Orçamento.

“Compensar é um direito do contribuinte, mas parcelar é um dever do Estado. O Estado não pode ser reduzido a um depositório judicial”, afirmou.

Sobre o limite de compensação de tributos com créditos transitados em julgado perante o Fisco, a MP prevê que um ato do ministro da Fazenda fixará o teto mensal em razão do valor total do crédito.

Esse teto não será aplicado para créditos de até 10 milhões de reais e não poderá ser inferior a 1/60 do valor total do crédito demonstrado e atualizado na data de entrega do primeiro pedido de compensação.

A intenção é evitar queda contínua de arrecadação por meio dessas compensações, que chegaram a cerca de 1 trilhão de reais em 2023, principalmente em razão de decisão do Supremo Tribunal Federal de que o ICMS não pode ser incluído na base de cálculo do PIS e da Cofins.

(Com informações da Agência Câmara)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo