Economia

Congresso mostra maturidade e temos de aplaudir, diz Haddad sobre a pauta econômica

O ministro da Fazenda demonstrou otimismo com a tramitação da reforma tributária e do arcabouço fiscal

Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, elogiou nesta quinta-feira 20 a postura da Câmara e do Senado para o governo destravar suas pautas econômicas, como a reforma tributária e o arcabouço fiscal

“O Congresso Nacional tem dado uma demonstração de maturidade que a gente tem que aplaudir. Nós estamos efetivamente conseguindo construir o ambiente que nós temos de maior valor neste momento”, afirmou o petista, durante uma reunião sobre iniciativas do mercado financeiro.

Aprovada pela Câmara, a reforma tributária ainda precisa ser votada pelo Senado. O relator da proposta, Eduardo Braga (MDB-AM), estima que a PEC será analisada até outubro, quando deverá voltar – com alterações – aos deputados.

Após o recesso parlamentar, também entrará em votação o arcabouço fiscal, que passou por modificações no Senado e teve de retornar à Câmara.

“Aquilo que parecia impensável seis meses atrás hoje se tornou uma realidade. O Congresso dizia: ‘o governo tem que entregar o marco fiscal até agosto’. Imaginavam que antes de agosto seria impossível entregar. Nós mandamos em abril e ele vai ser aprovado em agosto”, celebrou Haddad.

O evento, realizado no Rio de Janeiro, discute o lançamento de propostas selecionadas para o mercado de capitais e o mercado de seguros.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo