CartaExpressa

Bolsonaro deixará o governo com salário mínimo tendo o menor poder de compra desde o Plano Real

Segundo dados levantados por uma consultoria, a perda real do valor dos salários é de 1,7%

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro terminará seu mandato em dezembro de 2022 sendo o primeiro chefe do Executivo, desde o Plano Real, a entregar o cargo com o salário mínimo do brasileiro valendo menos do que quando entrou.

Segundo cálculos da consultoria financeira Tullet Prebon Brasil, divulgados pelo jornal O Globo, a perda do poder de compra do brasileiro será de 1,7%, descontada a inflação. 

Esses dados levam em consideração que o índice não acelerará mais até o final do ano, como o previsto por especialistas e pelo Boletim Focus, do Banco Central.

Se descontada a inflação prevista para o final do mandato, o piso salarial cairá de 1.213,84 reais em dezembro de 2018 para 1.193,37 em dezembro de 2022. 

“Da ótica das contas fiscais da União, a perda retratada em nossa simulação para o mínimo estende-se, em realidade, a todos os benefícios e pagamentos corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) — toda a folha da previdência, abono, Loas (Benefício de Prestação Continuada para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda)”, diz relatório da corretora.

Ainda conforme o documento divulgado nesta segunda-feira 9, dois fatores contribuem para a perda do poder aquisitivo do brasileiro. Um deles é o ajuste fiscal, que afeta o Orçamento da União e a aceleração da inflação. 

Com os altos resultados do índice, eventuais esforços do governo para repor os valores perdidos com a inflação não garantem a preservação total do poder de compra do salário mínimo. 

Este ano, de 2022, é o terceiro seguido em que o governo Bolsonaro não promove reajuste do piso salarial acima da inflação. 

O Brasil hoje tem a maior parcela de trabalhadores ganhando um salário mínimo desde 2012, segundo o IBGE. Além disso, 64% das pensões e aposentadorias pagas aos brasileiros também estão fixadas no piso salarial. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.