Economia

Bolsa fecha em queda de 14,7% e tem pior resultado em mais de duas décadas

Durante o dia foram feitas duas paralisações para tentar conter a queda, que quase bateu 20%

Foto: Fotos Públicas
Foto: Fotos Públicas
Apoie Siga-nos no

A Bolsa de valores brasileira fechou esta quinta-feira 12 em queda de 14,7%, pior resultado em 22 anos. Durante o dia foram feitas duas paralisações (circuit breaker) para tentar conter a queda, que quase chegou a 20%, um resultado que há anos não atingia.

A queda da Bolsa brasileira acompanha os mercados globais, que também operaram em queda em consequência do coronavírus, que foi classificado como pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira 11.

O dia começou em queda superior a 10%, o que fez com que as movimentações fossem paralisadas por duas vezes, algo inédito nos últimos tempos.

Na primeira parada, os negócios foram interrompidos por 30 minutos. A segunda paralisação durou uma hora. A queda foi contida após o Tesouro Nacional dos EUA anunciar que vai injetar mais de 1 trilhão de dólares no mercado americano.

Esse foi o quarto circuit breaker da semana. O mecanismo é acionado sempre que a bolsa cai mais de 10%. Na manhã desta quinta-feira, o dólar também sofreu fortes impactos ao passar dos 5 reais pela primeira vez na história.

A moeda americana fechou a sessão em alta de 1,25%, aos R$ 4,77.

 

Efeito coronavírus

O mercado financeiro mundial está refletindo as consequências dos efeitos do coronavírus, que foi considerado pandemia pela Organização Mundial de Saúde. Na segunda-feira, outro fator influenciou na quebra dos mercados: a queda do petróleo, que após 29 anos atingiu 30%.

Na semana passada, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), liderada pela Arábia Saudita, e seus sócios, liderados pela Rússia, não alcançaram um acordo para reduzir a produção e apoiar os preços, em um contexto de queda da demanda provocada pelo coronavírus.

Após o fracasso das negociações, a Arábia Saudita decidiu no domingo adotar o maior corte dos preços do barril em 20 anos, o que provocou uma forte turbulência nos mercados financeiros.

Alexandre Putti

Alexandre Putti
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.