Economia

Banco do Brasil deve financiar o agro, mas tem de voltar a acreditar no pequeno produtor, diz Lula

O petista participou da cerimônia de posse de Tarciana Medeiros na presidência da instituição

O presidente Lula. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) participou, na noite desta segunda-feira 16, da cerimônia de posse de Tarciana Medeiros na presidência do Banco do Brasil. Ela substitui Fausto Ribeiro, indicado pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

Trata-se da primeira vez que uma mulher presidirá a instituição em mais de 200 anos de história.

Em seu discurso, Lula afirmou que Medeiros tem de levar em consideração “o povo que mais necessita”.

“O BB é um dos grandes financiadores do agronegócio, mas no meu tempo a gente financiava com orgulho os pequenos e médios proprietários”, disse o petista. “A gente precisa voltar a acreditar no pequeno e no médio produtores rurais, porque são eles os que mais colocam alimento na mesa de todos nós aqui.”

Em tom descontraído, o presidente declarou que o banco “não pode ter prejuízo e tem de ter rentabilidade”, mas ponderou que, eventualmente, “tem de dar um pouquinho de aumento para os funcionários, porque senão eles fazem greve”.

“Quero que a gente seja o campeão de crédito consignado e quero mostrar o que dizia em 2003 e vou dizer agora: o pobre não é problema, mas a solução, à medida que ele é incluído na economia.”

Na semana passada, Lula participou da posse de Rita Serrano como presidente da Caixa Econômica Federal. Ela substituiu Daniella Marques, indicada pelo governo Bolsonaro.

Na ocasião, o presidente afirmou que a estatal voltará a crescer, assim como “a bancarização do povo pobre”. Após estabelecer como prioridades o investimento em saúde e educação e o combate à fome, ele voltou a mandar um recado direto ao “mercado”.

“A gente precisa construir uma narrativa diferente. Tudo o que a gente faz é gasto. Se eu compro comida, é gasto; se coloco dinheiro para dar comida ao pobre, é gasto; se vou fazer o Bolsa Família, é gasto. A única coisa que não é tratada como gasto é o dinheiro que a gente paga de juros ao sistema financeiro”, criticou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo