Economia

assine e leia

Aposta no escuro

O apagão que deixou 2 milhões de paulistas sem energia por 72 horas é mais uma prova do estrondoso fiasco das privatizações

Exemplos. Em cinco anos, a Enel reduziu o número de funcionários no País em 35% e conseguiu dobrar o lucro. O investimento preventivo ficou em segundo plano. Logo após o governador elogiar linha privatizada da CPTM, um de seus trens pegou fogo – Imagem: Renato Luiz Ferreira e GOVSP
Apoie Siga-nos no

Os inimigos mais poderosos das privatizações são as suas próprias consequências, deixaram claro as vidas perdidas, os prejuízos incalculáveis e o pandemônio criado, desta vez na maior cidade do País e em várias outras de menor porte, todas sob a responsabilidade da concessionária de energia elétrica Enel, após o temporal ocorrido em São Paulo na sexta-feira 3. Oito mortos, 2 milhões de pessoas sem luz por mais de 72 horas e danos incalculáveis em mercadorias estragadas por falta de refrigeração, prejuízos provocados pela interrupção do abastecimento em inúmeros setores da economia, são o resultado mais palpável da recente tragédia.

Privatização combina com apagão, resume Carlos Alberto Alves, presidente do Sindicato dos Energéticos do Estado de São Paulo. A venda de estatais que prestam serviços essenciais à população está na contramão do mundo. Vários países estão reestatizando empresas de fornecimento de energia elétrica e abastecimento de água, mas aqui acontece o contrário, existe um processo de aprofundamento das concessões, destaca Alves.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.