Economia

Após decisão do TST, GM cancela 1,2 mil demissões

Justiça rejeitou o pedido de liminar da montadora para que as demissões fossem mantidas

Empresa afirmou que vai realizar uma reunião com os sindicatos. Foto: GM/Divulgação
Apoie Siga-nos no

A General Motors anunciou neste sábado 4 o cancelamento das 1.245 demissões das fábricas de São José dos Campos, São Caetano do Sul e Mogi das Cruzes. Os funcionários tinham sido dispensados por um telegrama enviado pela empresa.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, o anúncio da suspensão acontece um dia depois do Tribunal Superior do Trabalho (TST) ter rejeitado o pedido de liminar da montadora para que as demissões fossem mantidas.

A empresa afirmou que vai realizar uma reunião na tarde de segunda-feira 6 com os três sindicatos. Além disso, disse que está realizando os trâmites internos para o cancelamento das demissões.

Valmir Mariano, vice-presidente do sindicato da categoria, comemorou a determinação do TST. “A retomada dos empregos é uma vitória histórica, fruto da forte luta dos trabalhadores das três cidades. Foram 13 dias de greve e muita união em defesa dos empregos. Mostramos a força da nossa categoria”.

Justificativa para demissões

A montadora justifica os cortes afirmando que se devem a uma “queda nas vendas e nas exportações”, o que teria gerado a necessidade de “adequar seu quadro de empregados”.

Os trabalhadores rechaçam a alegação de “crise econômica” na GM, já que no primeiro trimestre de 2023 a empresa informou que teve crescimento de 42% em suas vendas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.