Diversidade

Quem são autoras negras referências do Brasil – e porque conhecê-las

Antologia de mulheres negras busca recuperar escritos históricos de acadêmicas, cantoras, escritoras e militantes

(Foto: Reprodução/Ravi Santana - CartaCapital)
Apoie Siga-nos no

Autoras negras contam a história de um Brasil que por vezes, parece entrar em choque com um outro país retratado por poderosos. Há quem afirme que a fome não seja um grande problema no Brasil. Elas sabem que é. Carolina Maria de Jesus, catadora pobre e autora de ‘Quarto de Despejo’ (1960), que vendeu mais de 100 mil cópias, sabia tanto que escreveu: “O Brasil precisa ser dirigido por alguém que já passou fome”.

Carolina foi uma grande autora, mas não chegou a ser celebrada nos espaços de conhecimento. Na produção de textos, análises e pesquisas que consolidam outros brasileiros que estudam o Brasil, porém, as mulheres negras não figuram entre as grandes referências, mesmo sendo representantes das menos favorecidas na sociedade. Por quê?

Bianca Santana, jornalista e autora de “Vozes Insurgentes de Mulheres Negras – do século XVIII  à primeira década do século XXI”, reuniu autoras referências em suas respectivas áreas para fazer uma antologia de alguns dos textos fundamentais de mulheres negras. Em entrevista à CartaCapital, Santana analisa como o pensamento delas se reverbera nas estruturas sociais do Brasil hoje, o que faltou nos governos passados para uma consolidação dos direitos para a população negra e o que pode ser feito em um cenário declaradamente racista como o atual – e que reproduz certos disfarces dos tempos coloniais. Assista à íntegra:

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.