…

Quilombolas e deputados denunciam Bolsonaro à PGR por racismo

Política

Integrantes do movimento negro, quilombolas e deputados federais protocolaram na quinta-feira 6 na Procuradoria-Geral da República (PGR) representação contra Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por “prática de racismo e violação da dignidade indígena e quilombola”. 

“Contra o ódio, contra a intolerância e contra o racismo”, declarou a comitiva formada, entre outros, pelas deputadas Benedita da Silva (PT-RJ), Maria do Rosário (PT-RS), Érika Kokay (PT-DF), além da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), ao protocolar a representação na PGR. 

A motivação foram manifestações feitas por Bolsonaro durante uma palestra no Rio de Janeiro na segunda-feira 3. Além de afirmar que quilombolas e indígenas atrapalham a economia, disse que visitou um quilombo e que constatou que o “afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”.

“Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem pra procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gastado com eles”, afirmou Bolsonaro, que falou a convite da associação judaica clube Hebraica.

Em coletiva, Benedita da Silva ressaltou que o deputado do PSC utilizou a expressão “arroba”, atualmente aplicada para a pesagem de gado e outros animais. Durante a escravatura, era também utilizada para negros e negras escravizados. 

“Nós pedimos a punição severa dele baseada na Constituição, que torna o crime de racismo inafiançável. Ele já está acostumado a proceder dessa forma. Mas agora ele mexeu com mais de 51% da população brasileira. Ele nos discriminou, nos colocou como animais”, afirmou Benedita.

Bolsonaro também atacou o direito de indígenas e quilombolas à terra, direito garantido pela Constituição de 1988, ao extrapolar para uma realidade na qual seria presidente: “não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena pra quilombola”. 

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem