Diversidade

Congresso do Chile aprova casamento homoafetivo

‘Um passo histórico para a consolidação dos direitos humanos’, afirmou um comunicado do Movimento de Integração e Libertação Homossexual

Foto: Dedvi MISSENE / AFP
Foto: Dedvi MISSENE / AFP

O Congresso do Chile aprovou nesta terça-feira 7 a lei do casamento homoafetivo após uma última etapa na Câmara dos Deputados, selando uma iniciativa esperada por anos para casais do mesmo sexo.

Após sua aprovação pouco antes no Senado, a Câmara dos Deputados resolveu votar imediatamente o projeto que iguala direitos e deveres independentemente do sexo das pessoas que formam o casamento, adotando a iniciativa por 82 votos a favor, 20 contra e duas abstenções.

“Estou tremendamente emocionada. Tenho um pouco de dificuldade em manter a compostura. Foi uma corrida de vários quilômetros”, disse visivelmente emocionada Isabel Amor, diretora da Fundação Iguais e que permaneceu no Congresso à espera da votação histórica.

“Com a aprovação do casamento igualitário, o Chile deu um passo histórico e decisivo para o avanço e consolidação dos direitos humanos dos casais do mesmo sexo e das famílias homoafetivas. Todas elas, sem distinção, eram discriminadas e violadas desde as origens do nosso país”, afirmou um comunicado do Movimento de Integração e Libertação Homossexual (Movilh), que pressionou por anos o casamento igualitário no Chile.

Minutos antes do voto expresso nos Deputados, o Senado havia aprovado a iniciativa por 21 votos a favor, oito contra e três abstenções.

A nova norma modifica o Código Civil e outros corpos legais, permitindo o casamento entre pessoas do mesmo sexo e regulamentando os direitos e obrigações de quem celebrá-los.

Diferenças sobre filiação, direitos trabalhistas e atualização da lei de identidade de gênero surgidas na semana passada entre as câmaras do Congresso forçaram a formação da Comissão Mista, que se reuniu na segunda-feira e obrigou a uma nova votação nas duas câmaras.

Sendo assim, o Chile se torna o nono país da América a legalizar o casamento homoafetivo depois do Canadá, Estados Unidos, Costa Rica, Equador, Colômbia, Brasil, Uruguai e Argentina. No México, é legalizado em 14 dos 32 estados do país.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!