Cultura

assine e leia

Uma vida forjada nos tatames

Thierry Frémaux, um dos homens mais influentes do cinema mundial, relata, em livro autobiográfico, a história do judô

Faixas pretas. O diretor do Festival de Cannes resolveu voltar ao passado de atleta e à história do sensei Jigoro Kano após ver o último filme de Tarantino – Imagem: Redes sociais
Apoie Siga-nos no

“Eu sou faixa preta 4º dan. Quando você é faixa preta, é para a vida inteira. Mas minha vida me conduziu para outro lugar, para o Instituto Lumière de Lyon e para o Festival de Cannes. Os tapetes que agora frequento são vermelhos e levam a outros santuários.”

Entrado na sexagésima década de vida, Thierry Frémaux, um dos homens mais influentes do cinema mundial – e, no campo do cinema de arte, talvez o mais influente – resolveu voltar a um passado do qual se orgulha e que, a um olhar precipitado, soa improvável: o judô.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

10s