Cultura

assine e leia

O sambista e o palhaço

Mussum, o Filmis dialoga com a tradição da comédia brasileira ao mesmo tempo que procura emocionar o público

Cinebiografia. Na juventude, época em que serviu a Aeronáutica, o artista é vivido por Yuri Marçal. Na terceira das três fases retratadas no filme, entra em cena Ailton Graça – Imagem: Desirée do Valle
Apoie Siga-nos no

Quando o roteirista Paulo Cursino entrou na TV Globo, em 1994, fazia três anos que Mussum havia morrido. Já então, segundo ele, a ideia de transformar a vida do comediante em filme pairava no ar. “Lembro que o pessoal do Casseta & Planeta chegou a pensar num projeto. Mas todo mundo esbarrava num ponto: que ator poderia interpretá-lo?”

Cursino, que escreveu algumas das comédias de maior sucesso do cinema brasileiro nos anos 2000, diz que a resposta para essa pergunta foi desvendada por ele e pelo cineasta Roberto Santucci na ilha de edição de Até Que a Sorte nos Separe (2012).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.