DVD de 15 anos de carreira de Héloa reforça arte afro-indígena

Projeto audiovisual da cantora reúne canções de seus registros fonográficos com várias referências e batida eletrônica

Foto: Arthur Soares/Divulgação

Foto: Arthur Soares/Divulgação

Cultura

Palco montado às margens do Rio Vaza-Barris próximo à sua foz, em Aracaju. Héloa, vestida lembrando as deusas ligadas às águas, canta suas densas referências afro-indígenas e nordestinas. As músicas rememoradas neste DVD de 15 anos da sergipana têm novos arranjos, com batida eletrônica, mas sem perder de vista sua ancestralidade e espiritualidade.

“Não tem como não estarem presentes ritmos africanos e indígenas por conta da minha referência musical de construção. Cresci num bairro quilombola. Sou do candomblé. Tem minha ligação com a aldeia Kariri-Xocó (localizada na divisa de Alagoas com Sergipe)”, diz. “O filme remete a isso, que revisita o passado e ao mesmo tempo o contemporâneo, o eletrônico, o cosmopolita”.

O DVD Afluentes, de Héloa, produzido a partir de incentivo da Lei Aldir Blanc, é um registro audiovisual em que a gravação ocorre em um palco com os músicos, como um show, mesclado com imagens do litoral, do Rio São Francisco, do Vaza-Barris, dos cursos d’água, como o nome do trabalho.

No álbum anterior, o Opará (nome dado pelos indígenas ao Rio São Francisco), o segundo da carreira, Héloa mostrou um projeto de resistência, de preocupação com os antepassados e a criação de uma consciência de preservação do meio-ambiente. Desse trabalho, fez um EP chamado Opará na Pista, em que inicia inserções de beats eletrônicos nas canções.

Agora, neste DVD com 16 faixas que revisitam sua carreira volta a inserir a música eletrônica em sua arte essencialmente afro-indígena. A proposta é trazer uma universalidade musical, com uma sonoridade mais dançante.

Filha de pesquisador de música e sacerdotisa do candomblé, ela cresceu no meio da cultura popular. “Isso tudo é muito natural para mim. Vivo isso muito intensamente”, diz sobre seu universo afro-indígena. Seus avós e bisavós foram ribeirinhos do São Francisco. “Uso meu trabalho como instrumento de conscientização”.

Héloa é cofundadora de uma ONG chamada Casa de Mar, projeto que atende comunidade na foz do rio Vaza-Barris, no sul de Aracaju. Ela conta que durante a pandemia tem dado assistência redobrada à organização.

A direção musical do DVD Afluentes é de Yuri Queiroga. A banda do show gravado conta com Lucas Campelo (acordeonista), Yuri (programação e guitarra), Pedrinho Mendonça (percussão e hang drum) e Denisson Oráculo (violão e contrabaixo).

O projeto audiovisual, acessível no YouTube, se desdobra no EP Afluentes, disponível nas plataformas de música com quatro faixas de releituras e que sai pelo selo Candyall Music, de Carlinhos Brown, que passou a cuidar de sua carreira.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Compartilhar postagem