Cultura

assine e leia

Crônicas de tempos difíceis

O mais novo disco de Chico Buarque nasce de um show pensado como uma forma de resistir à crise do país

Nas plataformas. Que Tal Um Samba – Ao Vivo traz o compositor ao lado da cantora Mônica Salmaso – Imagem: Leo Aversa
Apoie Siga-nos no

Quando Chico Buarque caiu na estrada com a turnê de Que Tal Um Samba?, dia 6 de setembro de 2022, em João Pessoa (PB), o Brasil vivia “uma página infeliz da nossa história”. Mais que uma performance de um dos maiores compositores do País, Chico, que dividia o palco com Mônica ­Salmaso, apresentava um hino de resistência.

Boa parte das três dezenas de canções enfileiradas durante o espetáculo faziam referência, direta ou indiretamente, à situação política do País. Mas apontavam, acima de tudo, para a crença de que tempos melhores viriam. Logo no início do show, Mônica cantava: Todos juntos somos fortes/ Somos flechas, somos arco/ Todos nós no mesmo barco/ Não há nada para temer.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.