Clubes de leitura por assinatura crescem na pandemia e alcançam novos públicos

Com diferentes formatos, o mercado de clubes literários vai do feminismo à literatura africana; confira 7 indicações

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Cultura

Diante do fechamento das livrarias em todo o País, os clubes de livros despontaram como uma alternativa cômoda para alimentar o hábito durante o confinamento provocado pela Covid-19.

Passados os meses mais bicudos da pandemia, o formato vem mantendo a clientela.

Com seleções assinadas por grandes nomes da cultura, em 2020, os clubes literários alcançaram 27% do mercado de clubes por assinatura, segundo a Betalabs, consultoria especializada em e-commerce. Um crescimento de 60% em relação a 2019. 

Os clubes de assinatura literários ganharam apostando em segmentações pouco exploradas pelo mercado editorial convencional. E, apesar de a média de leitura anual dos brasileiros ser de apenas três livros por ano, novos projetos tentam reverter esse cenário. 

Como o modelo de assinatura literária parece ter “vindo para ficar”, selecionamos oito clubes para você conhecer, e quem sabe, escolher um para chamar de seu. 

Panaceia

Mais que um clube de livros, a Panaceia é uma comunidade aberta às experiências do conhecimento estimuladas pela leitura. 

A curadoria é composta por intelectuais, formadores de opinião e pesquisadores, que ajudam a fomentar debates profundos e importantes para compreender o mundo de hoje. Já assinaram seleções nomes como Wagner Moura, Djamila Ribeiro, Silvio Almeida, Conceição Evaristo, Jessé Souza, Sabrina Fernandes e Rita Von Hunty.

Todo mês, os assinantes recebem um kit composto pelo livro indicado pelo curador do mês e uma revista guia de leitura contando um pouco a história do autor da obra literária, do curador e de sua justificativa para a escolha do livro, com conteúdo e ilustrações produzidos por artistas independentes. Além de brindes exclusivos relacionados à temática da caixa. 

 

TAG

Um dos maiores clubes literários do Brasil, a TAG apostou em modelos diferentes para cada tipo de assinantes. Desde a curadoria de livros escolhidos por grandes personalidades, como os autores Luis Fernando Veríssimo e Chimamanda Ngozi Adichie, a entrega de livros lançados em primeira mão. 

A TAG foi uma das pioneiras em apostar no modelo em 2014, e passou por momentos difíceis, pois editoras e investidores não acreditavam na ideia, alegando a falta de leitura no Brasil como justificativa. No entanto, a iniciativa se mostrou um sucesso. De janeiro de 2020 até o momento, o número de associados aumentou 75% —saltando de 40 mil para 70 mil. 

Com entregas mensais de livros, quem assina a TAG Livros também recebe uma revista sobre a obra do mês e um brinde. 

 

Intrínsecos

O clube de leitura da Editora Intrínseca completou três anos em setembro, e registrou um aumento de 117% em seus assinantes somente no mês de maio de 2020. 

A Editora tem entre suas publicações os best-sellers A menina que roubava livros e a saga Crepúsculo. 

Quem assina, recebe em casa uma caixa literária com livros inéditos todo o mês, para ler antes do lançamento. A edição é exclusiva e em capa dura, com cores e texturas diferentes, mantendo o padrão para compor uma bela coleção.

Os livros não possuem uma curadoria específica e ajudam os assinantes a descobrir novos livros e sair da zona de conforto literária e explorar autores que sozinho não exploraria. 

 

Põe na estante

A jornalista Gabriela Mayer é radialista, podcaster e apaixonada por livros. Por isso, em 2018, ela criou o Põe na Estante, onde faz resenhas sobre suas leituras e indica autores e obras. 

Em formato de podcast, o clube recebe mensalmente convidados que trazem perspectivas diferentes sobre a obra. 

No Instagram, ela divulga os livros que farão parte da próxima temporada do Põe na Estante, que já falou sobre livros como Igor na Chuva, de Hugo Guimarães, e o Sol é Para Todos, de Harper Lee. 

O projeto, que já está na sua quinta temporada, propõe uma volta pela América Latina. Os livros escolhidos contemplam autores de países cuja presença das comunidades é grande no Brasil.

 

Circuito Ubu

O Circuito Ubu é um clube de assinaturas e leitura da Editora Ubu. Criada em 2016, a editora tem um catálogo que propõe conexões entre diversos campos do conhecimento para refletir sobre questões atuais.

A seleção dos livros fica por conta da equipe da Ubu e os títulos são sempre pré-lançamentos da editora. Este ano o clube trouxe títulos como Engenheiros do Caos, de Giuliano Da Empoli e Pele negra, máscaras brancas, de Frantz Fanon. 

Além dos livros, o clube também inclui encontros de leitura presenciais e virtuais.

Os assinantes ainda ganham benefícios exclusivos como desconto em cursos, livros inéditos e participação em debates. 

 

Minha pequena feminista

Além de incentivar a literatura aos pequenos, a ideia da curadoria é criar empoderamento feminino, com histórias de protagonistas fortes e independentes, além de propiciar discussões sobre os valores da empatia e da sororidade. 

A curadoria é feita por uma equipe de mulheres especialistas na temática do mês, que ouvem diversas especialistas e vozes feministas para selecionar as obras.

Os livros enviados são escolhidos a partir da idade da criança e são recomendados tanto para meninas quanto para meninos de 0 a 13 anos. A proposta é valorizar a figura feminina sem desvalorizar ou desmerecer o papel do homem, sob uma bandeira de igualdade. 

Além dos livros do mês, o kit acompanha uma carta aos pais e responsáveis com reflexões sobre o livro, escrita pela curadora especialista do mês.

Clube Africanidades

Criada há sete anos, a livraria Africanidades, em São Paulo, também decidiu apostas no mercado de clubes, focando na força literária de mulheres negras. 

O projeto, que teve início em 2019, envia trimestralmente dois livros de autoria feminina para os assinantes do clube. 

A cada edição, uma obra de uma escritora brasileira é selecionada para a caixinha, e cabe à própria autora escolher o outro título que integrará o kit — que também inclui brindes produzidos por empreendedoras negras, como brincos e bonecas abayomis.

As caixas de entregas são preparadas pela fundadora da livraria, Ketty Valencio, e acompanham uma carta da curadora da edição. 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem