CartaExpressa,Política

Youtube remove 11 vídeos de Bolsonaro, a maioria por menção à cloroquina

Youtube remove 11 vídeos de Bolsonaro, a maioria por menção à cloroquina

Foto: EVARISTO SÁ/AFP

Foto: EVARISTO SÁ/AFP

O YouTube removeu nesta quinta-feira 27 onze vídeos do presidente Jair Bolsonaro da plataforma, dez deles fazendo menção à cloroquina. O levantamento foi feito pela empresa de análise de dados Novelo Data.

A remoção dos vídeos corresponde a uma atualização da política da plataforma que prevê a exclusão de conteúdos que façam a recomendação da cloroquina ou ivermectina para tratar a Covid-19, medicamentos que não possuem eficácia comprovada contra a doença.

Entre os vídeos excluídos estão pelo menos duas lives do presidente, exibidas às quintas-feiras. Embora o presidente não tenha citado o nome dos medicamentos, eles aparecem na descrição do conteúdo. Também estão na lista conteúdos com os títulos: “A hidroxicloroquina cada vez mais demonstra sua eficácia em portadores do COVID-19” e “Fox News mostra estudos sobre a eficácia da hidroxicloroquina no combate ao coronavírus”.

Ao tentar acessar os conteúdos, aparece uma tarja com a mensagem: “Este vídeo foi removido por violar as diretrizes da comunidade do YouTube”.

Também foram excluídos da plataforma, dentro da mesma lógica, outros três vídeos, um do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), outro do Daniel Silveira (PSL) e outro do ex-senador do Espírito Santo Magno Malta.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem